Pular para o conteúdo

Desclassificação de Vanderson prova que no ‘BBB’ o público faz o trabalho da Globo

Reprodução
Desclassificação de Vanderson prova que no ‘BBB’ o público faz o trabalho da Globo
Vanderson foi desclassificado do "BBB" após ser acusado de agressão

Tão logo foram divulgados os nomes dos participantes do “BBB” deste ano, o nome de Vanderson foi parar nas redes sociais envolto em polêmica. Uma de suas ex-namoradas afirmou ter sido vítima de agressão durante o período em que se relacionaram. Personalidades da internet se posicionaram, uma campanha pela desclassificação do acreano se iniciou. A Globo se posicionou dizendo que não havia denúncia formal à polícia, portanto não poderia tomar providências.

Nesta quarta-feira (23), a delegada Tita Salim, titular da Delegacia de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá (DEAM), no Rio de Janeiro, anunciou que o brother precisaria prestar depoimento sobre o caso. A Globo então abriu mão participante. A intimação ocorreu porque foram registrados três boletins de ocorrência contra o especialista em cultura indígena por denúncias por estupro, lesão corporal e importunação ofensiva ao pudor.

Não é a primeira vez que o “BBB” vira caso de polícia. Na décima segunda edição, a polícia entrou na casa para saber de Monique se ela havia sido abusada por Daniel, que acabou tirado da competição após a internet julgar seu comportamento com a colega durante uma madrugada. No décima sétima temporada, Marcos acabou expulso após ser acusado de agredir Emily e teve de prestar esclarecimentos na delegacia.

O que a retirada de Vanderson do jogo prova é que o “BBB” não é controlado pelo público apenas nos paredões. as redes sociais parecem cumprir um trabalho que deveria ser da Globo, como o de levantar a ficha corrida dos participantes e prever confusões. Não por acaso, as redes sociais tiraram o gaúcho Fábio do jogo ainda no hotel, depois que se descobriu um patrocínio de roupas em seu Instagram. Os fãs do “Big Brother Brasil” parecem saber escarafunchar melhor a vida dos participantes que a própria emissora. Vanderson já estava condenado pelo tribunal da internet – sem direito à defesa – antes mesmo de a disputa por R$ 1,5 milhão chegar ao fim. Talvez a Globo tenha algo a aprender com as redes sociais no que diz respeito a conhecer quem escala para o reality show.