Pular para o conteúdo

Sucesso de ‘Você’, da Netflix, se explica pela obsessão dos brasileiros com redes sociais

Reprodução
Sucesso de ‘Você’, da Netflix, se explica pela obsessão dos brasileiros com redes sociais
Elizabeth Lail e Penn Badgley, em cena de "Você"

Estreia despretensiosa da Netflix nos últimos dias de 2018, “Você” virou sucesso no Brasil graças ao boca a boca. Todo mundo que assistiu tem algo a dizer sobre a série, que, de fato, tem narrativa cativante. A trama gira em torno de um gerente de livraria vivido por Penn Badgley, que se apaixona à primeira vista por uma jovem escritora e passa a persegui-la. Primeiro, faz uma pesquisa nas redes sociais tão apurada que levantada toda a vida de Beck (Elizabeth Lail). Depois, descobre o endereço, invade o telefone, divide até  o mesmo terapeuta. A louca obsessão, claro, não leva a uma história saudável e descamba para caminhos perigosos.

Por que, afinal, “Você” fez um barulho tão grande no Brasil? Exibida originalmente nos Estados Unidos pelo canal a cabo Lifetime, a produção não chegou coberta de expectativa e era desconhecida para muitos. Dois fatores podem explicar o hit. O primeiro é seu protagonista, que até hoje é muito lembrado por ter vivido o carismático Dan Humphrey em “Gossip Girl”, série muito popular por aqui. Outro fator tem a ver com o comportamento do brasileiro na internet: viciados em redes sociais, todos nós somos um pouco como o personagem obcecado.

Um estudo promovido pela agência We Are Social no ano passado mostrou que nosso país é o terceiro colocado em todo o mundo no ranking de quem passada mais tempo em redes sociais. A média é de cerca de três horas. Se levado em consideração o tempo que passamos navegando na internet, além de Facebook e Instagram, a soma chega a – pasmem – nove horas diárias. Perdemos apenas para Tailândia e Filipinas. 62% da nossa população está conectada em redes sociais. Não por acaso não é difícil que “Você” faça com que nos identifiquemos com algumas das atitudes do psicopata da série, que invade a vida virtual da namorada, checa as mensagens, vê a tela bloqueada ou analisa até mesmo quem ela segue ou curte no Instagram (é bem verdade que alguns costumes mostrados na história como se constranger com o celular mostrando novas mensagens e virar a tela do telefone para baixo podem ser sinais de que algo pode estar fora da ordem). Longe da discussão moral, do certo e errado, todos temos um pouco do vilão do seriado. Mas só um pouquinho.

Baseada no livro homônimo de Caroline Kepnes, “Você” foi renovada para uma segunda temporada, que adaptará a continuação literária (“You: Hidden Bodies”, o que significa “corpos escondidos”) desta vez exclusiva para a Netflix.  Certamente depois de assistir aos dez episódios muita gente vai repensar sua relação com as redes sociais.